Google+ Followers

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Os cães velam por mim



Não sai medo da boca dos cães, nem fúria
nem ponta de rancor.
Somente um uivo, um estertor.
Pediam tão pouco; um osso, um resto de carne,
um fingimento de ternura, e nada tiveram,
e nada conquistaram. Somente o desprezo e a fome,
e a vizinhança ardente de morte, numa berma da estrada,
enquanto seguiam o rasto dos cegos
demandando a promessa de luz das catedrais.

Os cães não sabem nem querem vingar-se
Depressa trocam os sinais de cólera
 pela promessa de um afago
e depois rebolam-se na erva como se voltassem
à infância amamentada na sombra dos quintais.

Eu amo os cães e também os gatos,
e só dos homens desconfio e me defendo
por serem os únicos que sonham, olhando o céu
sem nunca deixarem de enterrar no lodo
as raízes mais mesquinhas da ilusão
de poderem ser deuses.

Vêm os cães e põem em em fuga os vultos arqueados
dos que cercam a casa. Sem dó.
Não se pode morder nem matar o que é imaterial.
Os cães, mesmo os de pedra, velam por mim
enquanto eu invento os nomes que hei-de dar
aos temores que me invadem a escrita.

José Jorge Letria
Prosa
(Coração sem abrigo)





Turner O pintor da luz


James Mallord William Turner nasceu em Covent Garden Inglaterra em 1775 e faleceu em 1851 Com escassos 27 anos de idade foi eleito membro efectivo da Academia Real de Londres e consagrado mestre da pintura arquitectónica e topográfica assim como das novas técnicas da aguarela, de que foi um dos pioneiros. Génio excêntrico e solitário, estimado dos amigos íntimos mas arredado do grande público. Turner foi a encarnação da paixão romântica pelas forças da natureza e pelo "sentimento" do mundo natural. * Os seus quadros transmitem uma emoção extrema e são considerados o ponto culminante do romantismo inglês.

 Através de uma pincelada rápida, que irá influenciar os impressionistas franceses, Turner mostrou-se apaixonado pelos fenómenos atmosféricos, pelas nuvens e céus crepusculares e pelos efeitos subtis de uma luz difusa filtrada pela neblina.Turner é também um dos maiores mestres da pintura de paisagem britânica aquarela. Ele é comummente conhecido como "o pintor da luz" e seu trabalho considerado como um prefácio romântico ao impressionismo Com 60 anos fez-se amarrar ao mastro de um navio durante uma tempestade.. Realizou um estudo óptico da cor e sempre sujeitou a sua técnica pictórica a experiências constantes e um constante aperfeiçoamento.

Com o tempo desenvolveu um estilo próprio de pintar. A sua vida foi inteiramente dedicada à pintura. Seu acervo é magnífico, com mais de 20.000 obras. Os temas que ilustravam efeitos de dramaticidade particularmente fascinavam-no. Pintou muito o mar, os rios, as cachoeiras e os abismos, pois eram belos e perigosos. O modo como Turner trata a água, o céu e a atmosfera, em geral afasta-o de todo o realismo natural e transforma-o no reflexo anímico da situação. As pinceladas soltas e difusas dão forma a um torvelinho de nuvens e ondas, a uma desesperança interior que se transmite à natureza, uma das características básicas do romantismo


  .Após meses desaparecido, foi descoberto doente e solitário, como sempre viveu, por uma sua empregada. Morreu em Chelsea em dezembro, de 1851. As suas obras mais importantes estão na National Gallery e na Tate Gallery, ambas em Londres.
Foi sepultado na catedral de Londres.
                        

sábado, 10 de junho de 2017

Os Lusíadas


Os Lusíadas, estão como na hora!
Três séculos e nada.
Nem uma  letra única apagada!
Porque a gente decora.

E nem os vermes comem,
Não traçam, não consomem,
Uma obra inspirada,
Suma-se o vulto, que a compôs, embora.

Os donos da Divindade
A beleza a verdade,
Essa glória de Deus, como do homem -
Raiam e ficam em plena aurora

quinta-feira, 8 de junho de 2017

A resposta na ponta da língua


Há cerca de dois mil anos um homem chamado Fócion esperava pacientemente na barbearia para ser atendido, enquanto o barbeiro comentava a situação política actual de Atenas. A tarde estava calma os clientes não eram muitos e a conversa arrastava-se.
Quando chegou a vez de Fócion, o barbeiro perguntou:
- E como quer o senhor que lhe apare o cabelo?

- Em silêncio - respondeu Fócion

 Esta observação de Fócion (Fócion foi um político importante em Atenas no ano 376 aC) é um dos primeiros exemplos de réplica que se conhecem, o protótipo da resposta esmagadora e que provocam em quem ouve um sentimento de invejosa admiração .

Muitas vezes perguntamo-nos porque é que em certas ocasiões não nos sai uma resposta certeira, para certas perguntas com que somos confrontados, e pensamos: Porque não me lembrei desta resposta... (?) Muitos de nós, somos mestres nesta arte.. depois que a oportunidade passou, e a resposta exata vem-nos à cabeça brilhante, espirituosa, soberba. Então porque não a damos no momento oportuno?


 Poucos naturalmente atingirão o nível dos grandes mestres. Voltaire foi um deles.

Um dia referia-se a alguém em termos elogiosos quando um amigo comentou:

- É muito gentil da sua parte falar tão bem dele, principalmente tendo em conta que ele diz sempre coisas tão desagradáveis a seu respeito.
 Voltaire suavemente replicou:

É possível que nós os dois estejamos enganados...



A resposta pronta baseia-se em algumas virtudes fundamentais . Deve parecer a quem ouve engraçada,mas sobretudo, inesperada e de fácil compreensão.


 A famosa réplica de Wistler (pintor norte americano) é mais um exemplo.Wistler teria dito algo interessante a que Oscar Wilde conhecido pelo seu hábito de plagiar ditos alheios exclamou:


- Eu gostaria de ter dito isso.
- Você dirá Oscar, - observou Wistler tranquilamente - Você dirá.


(Wistler era conhecido pelo seu espirito aguçado especialmente em conversas com o seu amigo
 Oscar Wilde. Ambos eram figuras da sociedade parisiense em finais do seculo XIX .
Quando Oscar Wilde foi publicamente reconhecido como homossexual, Wistler acabou com a amizade entre ambos




 Finalmente o modo como se diz também é importante .Nada pode ser mais nocivo para uma observação inteligente do que acompanhada de um riso ruidoso do autor, ou uma expressão de malícia. Como todas as armas de ataque no entanto, deve ser utilizada com cuidado para que não venha a ferir a pessoa que a diz...!

domingo, 14 de maio de 2017

As rosas

Quando à noite desfolho e trinco as rosas
É como se prendesse entre os  meus dentes
Todo o luar das noites transparentes
Todo o fulgor das tardes luminosas
O vento bailador das Primaveras
A doçura amarga dos poentes
E a exaltação de todas as esperas!

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Maria

Quantas mágoa, quantas dores
Tendes vós aliviado,
Ó Mãe do Crucificado,
Refúgio dos pecadores!
Quem ouve os nossos clamores,
Quem acode a nossos gritos,
Senão vós, olhos benditos
Senhora da piedade !
Vós, chamada com verdade
Consolação dos aflitos!