Google+ Followers

domingo, 17 de janeiro de 2016

Rosas Santas

Raínha Santa:


Em terras de Portugal, uma princesa reinava,
A quem o povo leal, luz dos seus olhos chamava.


À vista só do seu manto, por onde quer que passasse,
 corava a todos a face,
secava a todos o pranto.


Ora uma vez que a princesa, por minha ponte seguia,
 como eu, num fio morria, doeu-lhe a minha pobreza.


E logo seu manto abriu, donde tombaram mãos cheias de rosas,
com que cobriu estas enxutas areias.


E quando a noite chegou, temendo vê-las murchar,
a Lua, mal despontou, pôs-se a chorar, a chorar,


que a chuva que entáo choveu, da Lua vinha por certo,
pois nuvens, não as vi eu, e o céu,
era um céu aberto..


E minhas águas cresceram, e minhas águas levaram,
rosas, que os campos encheram, rosas que o mar perfumaram.


Manuel da Silva Gaio (Versos escolhidos (século XX)

Livro do 1º ano do liceu 1952

Sem comentários :

Enviar um comentário