Google+ Followers

quinta-feira, 14 de julho de 2016

A lenda dos Sete Ais


Palácio da Pena
Muitas são as teorias acerca do nome Seteais mas é na memória popular que encontramos a mais romântica

Corria o ano de 1147 quando D. Afonso Henriques partiu à conquista de Lisboa.
Sintra rende-se sem oferecer resistência, pois ficava isolada do esto do mundo árabe como uma ilha num mar cristão.

Um dos primeiros cavaleiros a subir a serra de Xentra (hoje em dia serra Sintra) é D. Mendo de Paiva, cavaleiro de D. Afonso Henriques, que na confusão do assalto  se encontra junto a uma porta secreta por onde fugiam os mouros da povoação.

Entre eles avista uma moura linda, acompanhada pela velha aia, e logo se encanta por ela.
Ao dar com os olhos nele e ao perceber que fora descoberta, a bela moura solta um suspiro.causando grande preocupação à aia que lhe pede para não voltar a suspirar.
D. Mendo sai detrás da moita e faz a moira prisioneira, e esta suspira novamente de medo e comoção.
A ama ainda mais aflita diz ao cavaleiro que a rapariga, carrega desde o berço uma maldição, e ela dá o terceiro ai. Uma feiticeira invejosa rogara-lhe uma praga, agoirando-a no dia em que desse sete ais, e ela já dera três.

D. Mendo dá uma gargalhada, pois não acredita nessas coisas, e ela dá outro ai. Para acalmar a aia diz que fica com a guarda das duas, pois quer a jovem para si. A moura suspira outra vez e a aia fica desesperada.

O cavaleiro afasta-se para ir buscar uma escolta, mas um grupo de mouros que ouvira a conversa, aproxima-se e rapta as duas mulheres. Com um golpe de adaga, cortam a cabeça da velha, e a jovem solta outro ai. Era o sexto e logo deu o sétimo quando viu a adaga virar-se para ela.
 D. Mendo regressa ao local, pouco depois apenas para descobrir, que afinal se cumprira a maldição.



Desgostoso, chamou àquele canto de Sintra, Seteais.












1 comentário :