Google+ Followers

sexta-feira, 15 de julho de 2016

Marianne von Werefkin - Expressionismo



Marianne von Werefkin, nasceu em 1860. Descendia de uma antiga família da nobreza russa, muito abastada.
A mãe que também pintava, apoiou o desejo da sua filha de se dedicar às artes desde o principio.
Primeiro,  Von Werefkin recebeu aulas particulares, mais tarde, frequentou a Escola de Arte em Moscovo e, depois em 1886, foi aluna privativa do reconhecido pintor histórico Ilja Repin. Foi tamém aí que conheceu, Jawlensky.
A sua obra teve logo sucesso. As críticas eram muito positivas . Von Werefkin, tornou-se uma artista reconhecida tendo ali recebido algumas distinções. Na altura era denominada o «Rembrandt russo» devido ao seu estilo. Em 1896 muda-se juntamente com Jawlensky, para Munique decisão esta que provávelmente se deve a ela. Von Werefkin era bastante rica podendo financiar o sustento para
ambos.
Marianne von Werefkin:
Renuncia entretanto a prosseguir a sua carreira  de pintora para se poder dedicar plenamente a Jawlensky e para poder apoiar e estimular o seu trabalho artístico.
Na literatura especializada alegam-se várias razões  para tal decisão , Alguns autores são da opinião que Von Werefkin, achava que Jawlensky tinha mais talento do que ela: outros pelo contrário opinam que ela tinha um certo receio de não ser devidamente reconhecida no mercado da arte por ser mulher, enquanto que outros ainda acreditam que a deformação da sua mão direita causada  por um acidente de caça, lhe dificultasse o trabalho artistico
.Marianne von Werefkin:
Nos seus diários está claramente escrito que Von Werefkin não via o seu papel de mediadora entre os artistas e entre o artista e o público, como um papel passivo, mas que o preenchia activamente, como uma missão. «Quando o génio e o público não estão em harmonia, isso tem como resultado a cessação do movimento da cultura universal. - Por conseguinte é necessário que seja formado um público.
Von Werefkin mantinha também um salão onde habitualmente se reuniam artistas, escritores, músicos historiadores de arte, mas também amadores interessados, para debater as novas teorias artisticas.


No entanto  desde 1901, que ela e Jawlensky tinham graves disputas pessoais e artisticas  «Queria pensava, poder criar com mãos estranhas, mas agora,  « tarde, tarde, tarde» declara resignada nessa altura.


Uma nota escrita  cinco anos antes ainda na Rússia, reflete ainda mais claramente a complicada relação que mantinha com Jawlensky .


«Procurava a outra metade do meu próprio ser . Na pessoa de Jawlensky pensava poder criá-la educá-la. Deparei com limitações e hoje as minhas mãos deixam-se cair».
Estas citações demonstram que Von Werefkin não pretendeia somente apoiar financeiramente Jawlensky . Queria também utilizá-lo como ferramenta para concretizar as suas próprias ideias sobre a arte.
Jawlensky no entanto escolheu o seu próprio caminho, ecomo consequência disso, Von Werefkin, recomeça a pintar em 1907.
Na sua obra pictórica as cores são utilizadas de maneira típicamente expressionista, sendo aplicadas uns constrastes luminosos, no entanto as formas nunca sao reduzidas ou abstraídas,
As representações da paisagens pintadas  em cores místicas com cortejos fúnebres e mulheres vestidas de preto, emprestam uma expressão enigmática e algo misterioso a estas pinturas.
Quando a guerra eclode von Werefkin e Jawlensky intalam-se na Suiça.
Separam-se em 1920. Ela fica em Ascona onde pinta e onde tenta, em vão, dar continuação aos tempos do Der Blaue Reiter "onde conheceu Jawlensky "com a fundação do grupo Der Grosse Bãr.
Morre em Ascona em 1938
Jawlensky e von Werefkin, de Gabriele Munter, 1908

Sem comentários :

Enviar um comentário