Google+ Followers

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

O "doutor da selva"




Há pouco menos de um século, a cerrada selva do Gabão foi cenário de uma insólita história de amor.
O seu protagonista, um jovem alsaciano que mais tarde chegaria a ser conhecido mundialmente.

 O seu nome: Abert Schweitzer.

 Filósofo  intelectual, catedrático de teologia, médico e provávelmente, o melhor intérprete das obras de Bach,  um dia decidiu deixar um mundo que lhe prometia tudo e ir para a selva do Gabão, acompanhado pela mulher Elena Brasslau .

Os horrores descritos pelos seus colegas e amigos sobre os deserdados de África, motivaram o casal a viajar até Lambarené, nas margens do rio Ogooué, onde existia uma Missão.

Ali à força de pulso e vontade, Schweitzer ergueu um hospital, para dar ajuda e alívio aos nativos.
Pouco a pouco a fama do hospital de Lambarené  do "doutor da selva" estendeu-se a todo o Gabão, até chegar à Europa e a sua fama apesar da sua humildade estendeu-se a todo o mundo, e o reconhecimento internacional  - onde se incluiu  o Prémio Nobel da Paz - multiplicou-se ano após ano .
Schweitzer tinha  encontrado o seu caminho e um sentido para a sua vida  naquele hospital   que crescia de dia a dia dia, que anos depois da sua morte ainda mantém  a herança do seu espirito altruista.
.
Num continente em que havia  uma enfermeira para três mil habitantes e um número de médicos ainda menor, o  hospital é  uma ilha de esperança para as sua gentes.



Hoje em dia, o Hospital Schweitzer em Lambaréné é um  hospital com  novas e modernas instalações  que vieram dar  relevo, à antiga casa dos Schweitzer e o povoado  um  local de culto e visitado por turistas de todo o mundo, onde é possível visitar o local, tal e qual como o casal o deixou, em homenagem a este grande homem que nas palavras de Einstein foi o «maior do nosso  século»

Os restos mortais de Abert Schweitzer, repousam para sempre na pequena localidade de Lambaréné


Quando o homem aprender a respeitar até o menor ser da criação, seja animal ou vegetal, ninguém precisará ensiná-lo a amar seus semelhantes.