Google+ Followers

sábado, 17 de dezembro de 2016

Presépio

Dos teus vários brinquedos de criança,
muitos dos quais te dava o Deus-Menino,
há um que mais perdura na lembrança:
o presépio que armaste em pequenino .


A igreja de cartão que tu fizeste,
onde um par de bonecos se casou!
E o desgosto profundo que tiveste
Quando o padre de barro se quebrou!


Um galo empoleirado sobre um sino,
de bico muito aberto de contente,
cantava anunciando que o Menino
sobre s palhas nascera humildemente .


Mais além, era um rancho que folgava,
com guitarras pandeiros e violas,
tendo à frente uma preta que dançava
brandindo com salero, as castanholas


E lavadeiras, frescas e formosas,
entoavam canções ao desafio;
e, arregaçando as saias vaporosas,
lavavam debruçadas sobre o rio.


Junto à fonte, sorrindo em seus afagos,
namorados juravam seus amores.
E, descendo a colina, os três Reis Magos
caminhavam à frente duns pastores.


Ao pé da gruta onde Jesus dormia,
um soldado de chumbo, prazenteiro,
com a sua espingarda o protegia
de qualquer inimigo traiçoeiro.


Eram estes bonecos tentadores
que te encantavam num ingénuo afã,
entre velas brilhantes de mil cores,
que se apagavam, só com a manhã.


Foi como se apagou a minha luz,
lançando sobre mim, um negro véu,
naquela madrugada em que Jesus
te arrebatou consigo para o Céu.


Bonecos de expressão entristecidos,
tendes segredos que só eu desvendo
E há vozes no ar gritando, indefinidas,
que dizem coisas que só eu entendo.


E destas rosas de papel, agora
que o tempo as desbotou sem piedade,
o mais vivo perfume se evapora:
- É vivo o perfume da saudade.


*Poesia escrita após a morte de um filho


ESPÍNOLA DE MENDONÇA  (do seu livro Gerãnios )


Francisco Espínola de Mendonça nasceu em Ponta Delgada em 1891 e faleceu  na mesma cidade em 1944

Sem comentários :

Enviar um comentário