Google+ Followers

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Turner O pintor da luz


James Mallord William Turner nasceu em Covent Garden Inglaterra em 1775 e faleceu em 1851 Com escassos 27 anos de idade foi eleito membro efectivo da Academia Real de Londres e consagrado mestre da pintura arquitectónica e topográfica assim como das novas técnicas da aguarela, de que foi um dos pioneiros. Génio excêntrico e solitário, estimado dos amigos íntimos mas arredado do grande público. Turner foi a encarnação da paixão romântica pelas forças da natureza e pelo "sentimento" do mundo natural. * Os seus quadros transmitem uma emoção extrema e são considerados o ponto culminante do romantismo inglês.

 Através de uma pincelada rápida, que irá influenciar os impressionistas franceses, Turner mostrou-se apaixonado pelos fenómenos atmosféricos, pelas nuvens e céus crepusculares e pelos efeitos subtis de uma luz difusa filtrada pela neblina.Turner é também um dos maiores mestres da pintura de paisagem britânica aquarela. Ele é comummente conhecido como "o pintor da luz" e seu trabalho considerado como um prefácio romântico ao impressionismo Com 60 anos fez-se amarrar ao mastro de um navio durante uma tempestade.. Realizou um estudo óptico da cor e sempre sujeitou a sua técnica pictórica a experiências constantes e um constante aperfeiçoamento.

Com o tempo desenvolveu um estilo próprio de pintar. A sua vida foi inteiramente dedicada à pintura. Seu acervo é magnífico, com mais de 20.000 obras. Os temas que ilustravam efeitos de dramaticidade particularmente fascinavam-no. Pintou muito o mar, os rios, as cachoeiras e os abismos, pois eram belos e perigosos. O modo como Turner trata a água, o céu e a atmosfera, em geral afasta-o de todo o realismo natural e transforma-o no reflexo anímico da situação. As pinceladas soltas e difusas dão forma a um torvelinho de nuvens e ondas, a uma desesperança interior que se transmite à natureza, uma das características básicas do romantismo


  .Após meses desaparecido, foi descoberto doente e solitário, como sempre viveu, por uma sua empregada. Morreu em Chelsea em dezembro, de 1851. As suas obras mais importantes estão na National Gallery e na Tate Gallery, ambas em Londres.
Foi sepultado na catedral de Londres.